segunda-feira, 30 de novembro de 2009

O VERDÃO DO CARIRI


O grande destaque do futebol brasileiro esse ano, na minha modesta avaliação, vem do Ceará, mais precisamente de Juazeiro do Norte. Me refiro, é evidente, ao desempenho da Associação Desportiva Recreativa Cultural Icasa nos gramados canarinhos: Não há outro exemplo similar de superação, de descida aos infernos e recuperação épica, na história recente do nosso futebol.

No primeiro semestre, por um desses descalabros dos deuses da bola, o ICASA terminou o campeonato cearense na última colocação. No segundo semestre, de forma avassaladora, o time fez uma campanha monumental no campeonato brasileiro da série C, chegou às semifinais e garantiu o acesso para a série B em 2010.

A história do clube, aliás, é feita de dramas impressionantes. O time foi fundado em 1963 pelos proprietários e operários da Indústria de Comércio e Algodão S/A; a fábrica mais importante de Juazeiro do Norte. A ideia inicial foi a de adotar o nome da fábrica por extenso: Indústria de Comércio e Algodão Sociedade Anônima Esporte Clube. Não colou. Optou-se, então, pela sigla Icasa, solução mais razoável que agradou até a estátua do Padre Cícero, o filho mais famoso de Juazeiro.

O Icasa original foi oló relativamente cedo, depois de ter conquistado glórias impactantes, como o inédito octacampeonato juazeirense [entre 1965 e 1972] e o título cearense de 1992: Faliu em 1998 porque não teve 30 mil reais para pagar uma ação judicial movida por um ex-jogador. Já pensaram se a moda pega, o que ia ter de clube cheio dos borogodós quebrando por aí?

Em 7 de janeiro de 2002, houve uma espécie de milagre de Lázaro da história do futebol mundial: O Icasa ressuscitou, buscando recuperar a trajetória guerreira do Verdão do Cariri. Deu certo.

O clube, vale dizer, é dono também de um escudo arrojado, de deixar babando grandes nomes da programação visual contemporânea: Uma engrenagem representando a fábrica que originou o time, com a cor verde da folha do algodão. Há uma corrente na cidade favorável a se colocar uma foto do Padre Cícero no meio da engrenagem, mas a proposta ainda não conquistou a torcida. Tem, entretanto, o apoio desse escriba.

A última informação que obtive sobre o Icasa foi animadora. Neste último sábado foi realizado, com o objetivo de auxiliar o clube, o Sorteio Entre Amigos do Verdão do Cariri, inaugurando o sistema de iluminação artificial do Praxedão, o centro de treinamento da equipe. Foram sorteados carros e motos para os torcedores presentes.

A noite foi encerrada com um show de um dos mais ilustres torcedores icasianos, para a inveja dos que não estavam lá: O cantor Fábio Carneirinho. Os detalhes do furdunço podem ser vistos aqui .

Para finalizar, e como se não bastasse, o hino do ICASA é um negócio sério. Onde mais se encontra uma marcha com versos dessa magnitude: Meu padim nos gramados do céu / é mais um craque a orar, meu Verdão / A fé nos conduz a vitória / Icasa eterno campeão.

Padre Cícero nos gramados do céu é Brasil na veia:




Abraços

Um comentário:

Claudio Renato disse...

ô, Simas!

O Icasa e o Fluminense, as duas sensações do futebol brasileiro em 2010.

Abraço

Cláudio