quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

GRANDES E POUCO CONHECIDOS SAMBAS DE ENREDO - BANZO


Os que entendem do riscado sabem que a União de Jacarepaguá é uma das mais tradicionais escolas de samba do Rio de Janeiro. Foi a primeira, por exemplo, a ser visitada por um presidente da República - J.K. em 1958. 

Em 1977 a agremiação apresentou no segundo grupo o belíssimo samba de enredo Banzo - com o monumental e definitivo início que resume (A União quanta tristeza/ Fazendo dela alegria/ Vai no giro da baiana/ No reino da fantasia) boa parte da trajetória do negro e do samba no Brasil. A entrada, logo em seguida, do lamento em menor Banzo aê, Banzo aê é simplesmente uma aula de como se fazer um samba de enredo.

O samba é grande e não é para menos. A obra é um dos frutos da parceria entre o portelense Norival Reis  e o imperiano Vicente Matos. Banzo é - ao lado de Acalanto para Uiara (1977) - a maior contribuição da União de Jacarepáguá para o gênero  épico brasileiro:

A União quanta tristeza
Fazendo dela alegria
Vai no giro da baiana
No reino da fantasia

Banzo aê, banzo aê
De mão no queixo
Cachimbo na boca (bis)
A saudade é grande
A cabeça é louca

Iludido com miçangas
Fui jogado no negreiro
Hoje sofro na senzala
Sou homem do cativeiro

Ô ô ô Xangô, meu orixá
Venha levantar meu braço
Quero ouvir meu agajá
Hoje morro de tristeza aqui
Amanhã sou alegria lá

Vou eu vou
Minha gente eu vou brincar (bis)
E nas asas vou voando
Vou ver a Conga passar

Coloquei a gravação original na rede. Basta clicar aqui  ou escutar abaixo:



Abraços

Um comentário:

Fernanda Guedes disse...

Adoro quando encontro comentários sobre escolas tradicionais do Rio que estão ofuscadas por essa indústria carnavalesca de hoje. Parabéns pela postagem!!!