segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

MEMÓRIA DEMOLIDA

O governo do Estado do Rio de Janeiro se mantém firme na decisão de demolir a Escola Municipal Arthur Friedenreich, com quase meio século de existência e uma das melhores instituições públicas de ensino da cidade, ao lado do estádio do Maracanã. A escola será destruída para a construção de quadras de aquecimento a serem utilizadas pelos jogadores que disputarão partidas no estádio reformado. Os poderosos donos da bola argumentam que a escola não sofrerá o impacto, já que será transferida para um prédio novinho em folha, no bairro de São Cristovão.

Os engravatados tecnocratas do governo ignoram que um lugar não é composto apenas da matéria bruta de seus alicerces. A Escola Friedenreich, mais do que um prédio, é depositária das memórias, aspirações, anseios, sonhos, desilusões, conquistas, fracassos, alegrias e invenções da vida de inúmeras gerações que passaram por seus bancos. Uma escola é, portanto, também o resultado das experiências intangíveis, matéria da memória acumulada pelas gerações de alunos e professores que ali experimentaram a aventura do conhecimento.

Os índios da praia sagrada de Morená, no Xingu, dizem que nos troncos de árvores moram, encantados e perpetuados, os espíritos de seus ancestrais. Quando um terreiro de candomblé é criado, planta-se no solo, em cerimônias que envolvem elementos da natureza, o axé (poder espiritual) da casa, que perpetuará naquele local o acúmulo de saberes que a ancestralidade proporciona à comunidade. Sabem, os índios e negros, que a experiência está fincada em certos locais, sacralizados pelo que foi vivido ali.

Derrubar a escola é, portanto, matar o axé, derrubar os troncos das árvores sagradas e quebrar o elo de ancestralidade que faz a vida em comunidade ser possível. Existem inúmeros alunos cujos pais estudaram na Escola Municipal Arthur Friedenreich. Imaginem o que é para uma criança, na construção de suas referências, saber que a sala em que ela aprende foi a mesma em que seus pais aprenderam um dia. A escola em São Cristovão pode manter o nome, os professores e o padrão de ensino, mas jamais será a do Maracanã, com toda a memória dos afetos acumulados ao longo das décadas.

Coisa similar está prestes a acontecer com os sobrados centenários da Rua da Carioca. Um banco de investimentos comprou os imóveis e, com a fria lógica do lucro fácil, coloca em risco toda a tradição que uma das mais tradicionais ruas da cidade tem acumulada. O axé da Rua da Carioca, com suas centenárias casas de instrumentos musicais e restaurantes, periga sucumbir aos ditames dos almofadinhas cheios de grana, que conhecem tanto da alma da velha rua quanto um esquimó entende da alma de Madureira.

A cidade do Rio de Janeiro, encarada pelos homens do poder como um balneário de grandes eventos, Disneylândia tropical do século XXI, está sendo destruída em suas referências mais profundas. A sanha modernizadora, afeita aos grandes negócios, é aquela que esmaga o intangível e o que não é mensurado pelas regras do mercado financeiro: a cultura carioca e os seus lugares de memória; elos poderosos de ligação com o passado, lições vivas da ancestralidade de um povo que, contra o efêmero de escusas transações, sacralizou em rituais de celebração da vida as praias, esquinas, botequins, sobrados e escolas deste nosso terreiro; a Guanabara.
(Publicado em O Globo, edição de 03/12/2012)

6 comentários:

Manolo Torreira disse...

Tá difícil segurar a voracidade desse pessoal com grana. Nossa cidade está mudando sem dar valor ao que é realmente nosso. Fico muito triste com isso. Falou e disse no texto. Abraço. Felipinho.

Thiago Rachid disse...

Não vou discutir o mérito do aspecto intangível das edificações, mas registrar meu espanto para um fato que me incomoda muito: há dezenas ou centenas de prédios centenários no Centro do Rio que desintegram sob a ação do tempo e das intempéries. Um passeio pela rua Gomes Freire e adjacências, por exemplo, nos salta aos olhos os exemplos de edificações que se acabam aos poucos e ninguém se manifesta: a municipalidade não aciona os proprietários, o MP não se pronuncia, tampouco a opinião pública se manifesta. Mas se um investidor comprar um desses prédios e ameaçar mudar uma maçaneta, quando elas ainda existem e pronto: cai o mundo sobre o sujeito.

Eu fico muito mais indignado com aqueles imóveis cuja função social não é exercida, do que com o axé destes, em particular.

Acho que saí um pouco do exato debate que o artigo ora publicado propõe, mas registro minha indignação.

Sandro Saraiva disse...

Parabéns pelo texto! Sou carioca, resido em Natal (RN) e professor de História. Vou recomendar o artigo...

Sandro Saraiva disse...

Parabéns pelo texto! Sou carioca mas resido em Natal, professor de História, vou recomendar o artigo...

Marcelo Rodrigues disse...

Se a escola do grande El Tigre for ao chão, ele ficará furioso e não ajudará a seleção canarinho em 2014.

Jean Boechat disse...

Espetacular o artigo, professor. Além da Escola Municipal Arthur Friedenreich,serão demolidos outros patrimônios da cultura, educação e esporte do Brasil. Ontem, na ESPN Brasil, vi uma reportagem no programa "Histórias do Esporte" que falou bastante a respeito destas tragédias. O Centro de Atletismo Célio de Barros, patrimônio histórico do atletismo no Brasil será transformado em estacionamento. O Parque Aquático, palco de outras conquistas, também virá abaixo.E, por fim, o Museu do Índio,da época do Império, vai para o saco profundo do esquecimento.

Para ver o trecho da matéria que fala sobre o Célio de Barros, clica aqui http://jamp.ae/UKwOef

A matéria da ESPN ainda falou sobre os índios, que cuidam de um espaço por onde ainda circula o Maracanã, pássaro que deu nome ao local.
É muito triste ver como o Brasil destrói sua cultura, sua educação, seu esporte. É muito triste ver como o Brasil destrói o Brasil. =^(
Triste.