quarta-feira, 6 de julho de 2016

PEDIDO A SÃO LONGUINHO

Adoro o cristianismo popular brasileiro, de fundamento ibérico, que gosto de chamar de "cristianismo do fantástico" e mora nas encruzilhadas afro-indígenas temperando a nossa maneira de viver o arrebatamento do mistério. Sendo assim, é evidente que sou devoto de São Longuinho.
A hagiografia diz que São Longuinho se chamava Cássio e foi um soldado romano presente na cena da crucificação de Cristo. Algumas versões sobre a paixão indicam que teria sido ele o centurião que perfurou o nazareno com uma lança (relíquia que teria sido encontrada nos tempos da primeira cruzada e está exposta em Viena, na Áustria). O sangue de Cristo respingou nos olhos do centurião, que naquele momento foi tocado pela graça e se converteu. Cássio passou a ser conhecido como Longinus - latinização do grego lonke; lança.
Por ter aderido ao cristianismo e renegado o poder de Roma, Longinus foi torturado, teve os dentes e língua arrancados, e foi decapitado em Jerusalém.
São Longinus foi canonizado pelo Papa Silvestre II, no ano de 999. A tradição popular afirma que parte importante da documentação do processo, em dado momento, se perdeu. O Papa teria, então, rogado ao próprio santo para que os documentos fossem encontrados; o que acabou ocorrendo. Viria daí a fama que o santo tem de atender aos pedidos dos fiéis que querem encontrar objetos perdidos.
Na cultura popular brasileira, Longinus (muito venerado na Espanha) virou mesmo Longuinho, ou Lancinha, que eu acho extremamente simpático. É tradicional ainda o hábito de se fazer uma promessa ao santo para se encontrar o que foi perdido. A promessa deve ser feita mediante os seguintes dizeres: São Longuinho, São Longuinho, se eu achar o que está perdido, dou três pulinhos e três gritos.
São Longuinho é representado como um centurião com uma lança, a que ele teria usado para furar o corpo de Cristo, e é representado com uma lanterna acesa, símbolo de seu poder de encontrar objetos perdidos.
Existem duas imagens do santo no Brasil: na Capela de Nossa Senhora da Escada, em Guararema (SP), esculpida em madeira por índios das missões, e na Igreja de Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas (MG).
Eu gostaria muito, depois dessa breve descrição sobre o santinho querido, de pedir a São Longuinho para que ele me ajudasse a encontrar o Brasil. Aquele que eu não sei se existiu algum dia - acho que não - ou se viveu apenas nos meus afetos e afeições de menino e projeções de moleque; o país que navegava o Rio Doce, dobrava o rum para Ossain dramatizar o encantamento das folhas, se banhava na volta grande do XIngu, arreliava o tempo no ronco do fole de Gonzaga, adormecia João Valentão no manto da noite e comemorava o gol na geral do maior do mundo.
Eu continuo procurando, doido para dar três pulos - discretos, para não ficar travado - saudando o santinho querido do povo.

Nenhum comentário: